Desvantagens de hospedar as Olimpíadas*

De locais icónicos a ruínas

Estadio-Nacional-de-Pequim-popularmente-chamado-Ninho-de-Passaro

 

Desde 1896, a cada dois anos, a competição desportiva mais importante do mundo com mais de 200 países a participar procura uma nova cidade para se estabelecer.

Existe uma ligação profunda e permanente entre as Olimpíadas e as suas cidades anfitriãs. Tudo começou quando o Comitê Olímpico Internacional (COI) decidiu que as Olimpíadas modernas não seguiriam o padrão antigo de ter uma base permanente, mas seria um evento ambulante, acolhido numa determinada cidade a ser sorteada a cada competição. Essas «cidades olímpicas», que no início poderiam ser em qualquer parte do mundo, forneceriam os locais e infra-estruturas esporádicas necessárias em troca do direito de organizar os jogos mais veneráveis do mundo.

Avançando para os dias de hoje, os edifícios desportivos são projetados para serem multifuncionais, trazendo-nos uma série diversificada de desportos «modernos» em vez de oferecer uma experiência única.

Os Jogos Olímpicos representam mais do que os desportos, pois também representam uma oportunidade para novos ícones arquitetónicos. Como os próprios jogos, os edifícios mais memoráveis criados para o estágio desportivo internacional celebram a conquista humana.

Dado o brilho da publicidade que os jogos atraem, os organizadores e os seus arquitetos, compreensivelmente, tendem a tratar a ocasião como uma oportunidade para criar estruturas icónicas destinadas a impressionar os visitantes e a mídia mundial. Frequentemente vistos como anúncios duradouros para a proeza técnica e o design criativo, tais estruturas são características permanentes da paisagem urbana e muitas vezes tornam-se sitios de património com um significado considerável.

Os edifícios, os parques e os monumentos olímpicos têm um enorme significado na história e no desenvolvimento da arquitetura, sejam eles usados para jogos ou como espaços para fóruns políticos especiais. O significado destas estruturas é particularmente refletido no facto de que as técnicas utilizadas para construir essas estruturas são usadas na arquitetura moderna.

Há muitas dificuldades que as cidades olímpicas enfrentam, pois é necessário conciliar as exigências do movimento olímpico, o desejo de abrigar os jogos de forma memorável e fornecer um futuro viável pós-jogos para as instalações construídas. A maioria das cidades simplesmente não tem as infra-estruturas necessárias para suportar o fluxo de duas semanas de atletas, treinadores, fãs e membros da comunicação social. O dinheiro necessário para a construção das instalações atléticas de última geração está a subir rapidamente.

Enquanto que as arenas terão apoiantes a encherem bancadas, eles rapidamente se extinguem. Como as Olimpíadas apresentam exigências muito diferentes da maioria dos eventos desportivos, é inevitável que as cidades anfitriãs se esforcem para encontrar usos alternativos para estes edifícios assim que os jogos terminam. No pior cenário para as cidades, os locais olímpicos não são utilizados após os jogos e tornam-se elefantes brancos – resíduos totais de espaço e dinheiro. Alguns locais, que foram utilizados para alguns dos momentos mais memoráveis dos desportes nos Jogos Olímpicos de Verão e Inverno, foram deixados para apodrecer, pois não haviam planos para uso futuro. Já vimos isso em vários locais olímpicos diferentes em todo o mundo.

Pouco depois da cerimônia de encerramento dos Jogos Olímpicos, os locais já são deixados sem vigilância. Em questão de anos, a erva daninha e o musgo vão cercar as pistas e os saltos de esqui em desuso que já foram agraciados pelos maiores atletas do seu tempo.

De alguma forma, estes lugares vazios tornaram-se símbolos das desvantagens de acolher as Olimpíadas.

O futuro destas estruturas desportivas ainda é desconhecido. Mas é altura de discutir o uso que pode ser feito de todos estes enormes espaços propositadamente construídos para hospedar os jogos mais famosos do mundo.

 

* Este artigo foi originalmente publicado na revista online Wall Street International Magazine [09/09/2017]

imagem: Estádio Nacional de Pequim, popularmente chamado Ninho de Pássaro

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s