A proliferação da arquitectura efémera*

O conceito de efémero na era digital

Yucca-Crater-California

efémero

adjectivo
«De curta duração = breve, passageiro, temporário, transitório ≠ duradouro, permanente»

O enorme crescimento do computador pessoal e das comunicações contribuiu para a mudança da percepção do espaço e a sua relação com o tempo. Uma parte dessa mudança inclui a ideia de que o estabelecimento de um local através da arquitetura torna-se menos importante num mundo digital. Além disso, ficamos mais distantes do mundo real tendo em conta que as janelas dos carros, aviões e comboios filtram a nossa experiência da arquitetura. O surgimento da cultura nómoda moderna foi facilitada pela tecnologia, que populariza e difunde essas percepções. Por sua vez, as mentalidades abrem-se para entendimentos alternativos do nosso ambiente construído, incluindo um que incorpora arquitetura efémera como uma solução arquitetónica desejável.

A influência da tecnologia digital e da tecnologia da informação em arquitetura é cada vez mais evidente. A concepção arquitetónica, a prática projectual, a fabricação e a construção são cada vez mais auxiliados e dependentes da tecnologia digital. A proliferação de computadores e telecomunicações na educação e prática da arquitectura resultou numa grande mudança de paradigma e uma reorientação em suposições teóricas e conceptuais consideradas fundamentais para a educação e a prática da arquitectura tradicional.

A arquitetura contemporânea depende fortemente da tecnologia. Os arquitetos são agora capazes de pensar sobre o espaço através do tempo, pois eles são capazes de projetar espaços dinâmicos e responsivos, bem como espaços estáticos explorados por alguém ao longo do tempo.

De que forma a tecnologia digital (telemóveis, GPS, iPods, computadores portáteis, internet, realidade virtua, etc.) afetam a forma como percebemos, habitamos e desenhamos o espaço? Por que é que os arquitetos tradicionalmente definem, desenham e mapeiam o visual, ao contrário de outros tipos de sensações do espaço (o som, o cheiro, a textura, etc.)? A arquitetura não é apenas sobre os elementos sólidos e materiais do espaço; É também sobre os elementos invisíveis, imateriais e intangíveis do espaço.

A arquitetura efémera é uma parte antiga do nosso património arquitetónico, que remonta às obras vernáculas das culturas nómadas. No entanto, a ideia de arquitetura como algo permanente cresceu em proeminência quando os seres humanos mudaram para uma sociedade agrícola e permaneceu como modo de pensamento dominante desde então.

O interesse atual pelo efémero na cultura e arquitetura contemporâneas está relacionado com a evolução da tecnologia digital. E que está também relacionado com as novas formas de pensar sobre o espaço e as situações cotidianas. Com os dispositivos de gravação de som e vídeo que agora estão incorporados nos aparelhos do dia-a-dia, capturar sons ou situações e eventos efémeros tornou-se um hábito diário. Os videojogos contemporâneos não se baseiam mais numa entrada visual simples e num teclado. Eles envolvem agora outros sentidos, movimentos e a resposta de todo o corpo no espaço. A oposição binária tradicional entre o sensual e o digital está a ser revertida.

Os novos media podem também funcionar como novas ferramentas para pensar, sobre o espaço. Os arquitectos conseguem agora pensar no tempo e projetar espaços de acordo. Tempo, temporalidade, efemeridade, tornaram-se questões centrais no processo de concepção. A noção inicialmente reivindicada por Marshall McLuhan na década de 1960, que o surgimento de novos media digitais causou uma mudança no sensorium, é mais relevante do que nunca e pode ser expandido para acomodar as novas tecnologias emergentes.

Os atuais desenvolvimentos na fabricação digital prometem agora desencadear grandes mudanças na forma como o projeto é produzido e experimentado. A fabricação digital emergiu como uma tecnologia de design e processo de fabricação em que os objetos são temporários, delimitados no tempo pela função ao qual dão resposta. À medida que novas tecnologias de design emergem, eles atuam como aparelhos que criam novos assuntos para responder às suas próprias necessidades.

Nesta fase do desenvolvimento de ferramentas digitais de fabricação pessoal, já existem máquinas que podem reutilizar repetidamente e reciclar a matéria-prima utilizada no processo de fabricação quando o objeto não é mais necessário. O filamento de plástico utilizado para este propósito pode ser descrito como uma espécie de não-material desprovido de vontade própria, a partir do qual o usuário pode conjurar formas efémeras para funções temporárias, uma substância destinada a tomar e perder a forma uma e outra vez, como as demais coisas da vida. As ações de eliminação e reciclagem coincidem em tempo e lugar, e a ênfase não é sobre durabilidade e qualidade, mas sobre o fato de que os usuários podem criar itens por si mesmos e que os objetos podem ser facilmente descartados, para serem recriados se e quando necessário .

Agora, mais do que nunca, os objetos tornam-se efémeros e com funções passageiras.

O discurso sobre a sustentabilidade que surgiu nas últimas décadas, implicou o repensar do significado da vida útil de um objeto. A durabilidade foi uma das principais qualidades associadas ao bom design, juntamente com a idéia de que a forma deve vir após a função. No final do paradigma modernista, a produção em massa, a especialização, a proliferação e a durabilidade foram combinadas numa certa visão ambientalista para descrever cenários distópicos de paisagens naturais cobertas por objetos artificiais que prometeram e ameaçaram sobreviver aos seus próprios fabricantes e usuários.

O surgimento de uma tecnologia de fabricação doméstica na qual os objetos são temporários, delimitados no tempo pela função à qual respondem, parece oferecer uma saída para o impasse. A fabricação digital pessoal através da impressão 3D tem potencial para moldar novos assuntos e novas visões do mundo.

No entanto, num mundo onde podemos digitalizar em 3D um item e reimprimir, ou mesmo modificá-lo à vontade, esse processo sintático de reconfiguração semântica certamente provocará questões importantes. Teremos que nos perguntar até que ponto ainda podemos falar sobre um ciclo de vida de um artefato se um objeto puder ser rápido, fácil e silenciosamente ressuscitado em casa; E também, se os produtos deixam de ter uma identidade reconhecível quando as suas especificações ficam desfocadas, imprecisas e ilimitadas como resultado da re-adaptação contínua e da hibridação.

A estabilidade e a permanência são essenciais para a mobilidade, a portabilidade, a transformabilidade, o inflável e o efémero. No entanto, estamos a viver simultaneamente numa era de mudanças crescentes e de incerteza.

Tudo flui e nada permanece” – Heráclito

 

* Este artigo foi originalmente publicado na revista online Wall Street International Magazine [09/08/2017]

imagem: Yucca Crater, Califórnia
[English version]

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s